Início > Páginas > São Pedro

São Pedro

Padroeiro da aldeia de Caçarelhos. mordomia constituída geralmente por um casal de jovens. O Rapaz será o “Sacristão” da aldeia durante o ano tendo como responsabilidade algumas funções, como ajudar à missa, tocar o sino, levar a cruz na Procissões entre outras. A mordoma trata do altar e das coisas do santo e faz a “Talanqueira” (por vezes feita por ambos) nos Baptismos e casamentos da povoação. A festa decorre dia 29 de Junho, festejada na aldeia apenas com missa mas já a chegou a ter baile mas depois acabou por se desistir da ideia por falta de adesão.

a história de São Pedro

(Padroeiro da Aldeia de Caçarelhos)

29 de Junho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

São Pedro (segundo a tradição teria morrido em cerca de {67 d.C.) e foi um dos doze Apóstolos de Jesus Cristo, como está escrito no Novo Testamento e, mais especificamente, nos quatro Evangelhos. O seu nome original não era Pedro, mas sim Simão. Nos livros dos “Atos dos Apóstolos” e na “Segunda Epístola de Pedro“, aparece ainda uma variante grega do seu nome original: Simeão. Cristo apelidou-o de Petros – Pedro, nome grego, masculino, derivado da palavra “petra”, que significa “Pedra” ou “rocha”. O Apóstolo São Paulo designava-o pelo nome de Cephas, Kephas, Kepha ou Cefas que em aramaico significa o mesmo – note-se, aliás, que, provavelmente, Cristo falava principalmente aramaico, logo terá sido essa a designação dada a Simão (e não a versão grega que ficou para a posteridade).

Pedro tem uma importância central na teologia católico-romana. É considerado o príncipe dos apóstolos e o fundador, junto com São Paulo, da Igreja de Roma (a Santa Sé), sendo-lhe reconhecido ainda o título de primeiro Papa (um tanto anacronicamente, posto que tal designação só começaria a ser usada cerca de dois séculos mais tarde – Pedro foi o primeiro {bispo de Roma); essa circunstância é invocada pela Igreja Católica para que o Papa detenha uma posição de supremacia sobre toda a Igreja Católica. Para as outras denominações cristãs, Pedro também recebe uma grande importância, por causa de suas epístolas canônicas, porém não recebe o mesmo tipo de tratamento da Igreja Católica.

Dados biográficos

Antes de se tornar um dos doze discípulos de Cristo, Simão Pedro era pescador. Teria nascido em Betsaida e morava em Cafarnaum. Segundo o relato no Evangelho de São Lucas 5:1-11, Pedro terá conhecido Jesus quando este lhe pediu que utilizasse uma das suas barcas, de forma a poder pregar a uma multidão de gente que o queria ouvir. Pedro, que estava a lavar redes com São Tiago e João, seus sócios, concedeu-lhe o lugar na barca que foi afastada um pouco da margem. No final da pregação, Jesus disse a Simão Pedro que fosse pescar de novo com as redes em águas mais profundas. Pedro diz-lhe que tentara em vão pescar durante toda a noite e nada conseguira mas, em atenção ao seu pedido, fá-lo-ia. O resultado foi uma pescaria de tal monta que as redes iam rebentando, sendo necessária a ajuda da barca dos seus dois sócios, que também quase se afundava puxando os peixes. Numa atitude de humildade e espanto Pedro prosta-se perante Jesus e diz para que se afaste dele, já que é um pecador. Jesus encoraja-o, então, a segui-lo, dizendo que o tornará “pescador de homens”.

De acordo com os Evangelhos, Simão foi o primeiro dos discípulos a professar a fé de que Jesus era o filho de Deus. É esse acontecimento que leva Jesus a chamá-lo de Pedro – a pedra basilar da nova crença. Encontramos o relato do evento no Evangelho de São Mateus 16:13-23: Jesus terá perguntado aos seus discípulos (depois de se informar do que sobre ele corria entre o povo): “E vós, quem pensais que sou eu?“; ao que Pedro respondeu “És o Cristo, Filho de Deus vivo“. Jesus ter-lhe-á dito, então: “Simão, filho de Jonas, és um homem abençoado! Pois isso não te foi revelado por nenhum homem, mas pelo meu Pai, que está no céu. Por isso te digo: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e o poder da morte não poderá mais vencê-la. Dar-te-ei as chaves do Reino do Céu, e o que ligares na terra será ligado no céu, e o que desligares na terra será desligado no céu“. É por esta razão que São Pedro é, geralmente representado com chaves na mão e a tradição apresenta-o como porteiro do Paraíso.

Os evangelhos referem-no muitas vezes (mais que a qualquer outro dos discípulos). Conta-se no Evangelho de São Mateus 26:30-35 que Jesus, no Monte das Oliveiras, antes de ser preso, nessa noite, revelou que os seus discípulos seriam dispersados, abandonando-o. Pedro assegura que nunca o abandonaria. Jesus declara-lhe: “Garanto-te que esta noite, antes que o galo cante, me negarás três vezes“. Pedro insiste na sua fidelidade. Mais tarde, segundo o mesmo Evangelho, 26:69-75, Pedro, que observava de longe o julgamento de Jesus no átrio do sumo sacerdote Caifás, ao ser apontado como um dos seguidores de Cristo por várias pessoas, nega Cristo por três vezes, tal como fora predicto. Quando o galo canta, Pedro lembra-se do que lhe fora profetizado por Jesus e chora de arrependimento.

No capítulo 21 do Evangelho de São João, é relatado que Cristo, ressuscitado, depois de perguntar repetidas vezes a Pedro se este o ama, lhe diz: “Cuida da minhas ovelhas. Em verdade te digo: quando eras mais novo, cingias o cinto e ias para onde querias. Quando fores mais velho, estenderás as mãos e será outro a cingir-te o cinto, levando-te para onde não queres.“, o que indica que terá sido martirizado pela crucificação. Clemente de Roma, cerca de 95 d. C., alude ao martírio de Pedro, que sofreu inúmeras tribulaçoes e que, como Paulo, teria dado testemunho. Uma tradição um tanto quanto insegura, porém pitoresca, conta que, sendo o primeiro bispo de Roma, Pedro foi exortado pela comunidade romana a fugir da cidade onde os cristãos eram perseguidos e executados no Circo de Nero. No caminho encontra Jesus Cristo (na forma de um homem transportado na irradiação solar, segundo o romance de Henryk Sienkiewicz, “Quo Vadis?”). Ao perguntar a Jesus “onde vais, Senhor?” (“Quo Vadis, Domine?”), este responde-lhe que vai para Roma, para ser martirizado com as suas ovelhas que foram abandonadas. Pedro, arrependido, volta para Roma e entrega-se às autoridades que o crucificam. Diz a tradição que exigiu que fosse crucificado de pernas para o ar, já que não se considerava digno de morrer da mesma forma que Cristo.

Os seus textos

O Novo testamento inclui duas epístolas (cartas) cuja autoria é atribuída a Pedro: A “Primeira epístola de São Pedro e a Segunda epístola de São Pedro. Alguns académicos duvidam que Pedro tivesse conhecimentos de grego tão aprofundados que lhe permitissem escrever as cartas com aquele estilo e qualidade linguística (o que, em termos de pura fé, seria perfeitamente normal já que durante o Pentecostes, como é referido nos “Actos dos Apóstolos”, o Espírito Santo teria dado aos apóstolos a faculdade de “falar línguas”). Entretanto há quem opine que terão sido escritas por um secretário (“amanuensis”), enquanto outros dizem que terá sido um seu discípulo, após a sua morte.

São Pedro, segundo o catolicismo

De acordo com a doutrina Católica e Ortodoxa, o apóstolo Pedro, depois de ter exercido o episcopado em Antioquia, tornou-se o primeiro bispo de Roma. Segundo os católicos e ortodoxos, depois de solto da prisão em Jerusalém, o apóstolo viajou até Roma e aí ficou até ser expulso com os judeus e cristãos pelo imperador Claúdio, época em que voltou a Jerusalém e participou da reunião de apóstolos sobre os rituais judeus. Após esta reunião, ficou em Antioquia (como o seu companheiro de ministério, Paulo, afirma em sua carta aos gálatas) e, depois de passar por várias cidades, inclusive, segundo o bispo São Dionisio, por Corinto, na Acaia, retornou a Roma e morreu aí entre 64 e 67 d.C. Além de várias comprovações históricas, a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa têm como prova bíblica desta sua estadia em Roma a 1ª carta do próprio Pedro, em que diz: “a Igreja que está em Babilônia vos saúda, assim como o meu filho [ajudante] Marcos” (capítulo 5, verso 13). Na opinião quase unânime de estudiosos, a “Babilônia” é, na verdade, a cidade de Roma (uma vez que, por temer que os soldados descobrissem sua morada nesta cidade, Pedro preferiu chamar Roma com o pseudônimo “Babilônia”, assim como outro livro bíblicos, o Apocalipse de João, também faz). A comunidade de Roma, para os católicos, assim como para os ortodoxos, foi fundada e ensinada pelos apóstolos Pedro e Paulo e é considerada a única comunidade cristã do mundo fundada por mais de um apóstolo e a única do Ocidente instituída por um deles. Por esta razão, os católicos crêem que a comunidade de Roma (chamada atualmente de Santa Sé) tem o primado sobre todas as outras comunidades locais (dioceses) e o seu bispo (denominado também de “papa”) é respeitado como o pastor universal da Igreja Católica, cabendo-lhe direitos e deveres para com todos os fiéis católicos. De acordo com eles, o ministério de Pedro continua sendo exercido até hoje pelo papa, assim como o ministério dos outros apóstolos é cumprido pelos outros bispos unidos a ele, que é a cabeça do colégio episcopal (conjunto dos bispos católicos). A sucessão petrina (papal) começa com São Lino, em 67, e atualmente é exercida pelo papa Bento XVI.

São Pedro, segundo a arqueologia

A partir dos anos 50 intensificaram-se as escavações no subsolo da Basílica de São Pedro, lugar tradicionalmente reconhecido como provável túmulo do apóstolo e próximo de seu martírio no muro central do Circo de Nero. Após extenuantes e cuidadosos trabalhos, inclusive com remoção de toneladas de terra que datava do corte da Colina Vaticana para a terraplanagem da construção da primeira basílica na época de Constantino, a equipe chefiada pela arqueóloga italiana Marguerita Guarducci encontrou o que seria uma necrópole atribuída a São Pedro, inclusive uma parede repleta de grafitos com a expressão “hic est Petrus”, que, em latim, significa “aqui está Pedro”. Também foram encontrados, em um nicho, fragmentos de ossos de um homem robusto e idoso, entre 60-70 anos, envoltos em restos de tecido púrpura com fios de ouro que se acredita, com muita probabilidade, serem de São Pedro. A data real do martírio, de acordo com um cruzamento de datas feito pela arqueóloga, seria 13 de outubro de 64 d.C. e não 29 de junho, data em que se comemorava o traslado dos restos mortais de São Pedro e São Paulo para a estada dos mesmos nas Catacumbas de São Sebastião durante a perseguição do imperador romano Valeriano em 257 d.C.