Início > Páginas > Igreja Matriz

Igreja Matriz

Igreja Matriz de Caçarelhos

No século XVI, quando abade e povo de Caçarelhos levantaram esta nova igreja Matriz, capricharam na elegância e robustez do seu frontispício, que todo construíram em silharia de granito. “Bela torre de características renascentistas (…) será obra do mestre canteiro Belchior Fernandes, que fez a torre sineira da Misericórdia de Miranda e outras (nas ultimas décadas do século XVI e princípios do século XVII)… e foi mestre da obra da Sé de Miranda”.(3)
Igreja Matriz de CaçarelhosA capela-mor e o corpo da igreja terão sido construídos em alvenaria por simples pedreiros. Arruinaram-se e foram para reconstrução. Na peanha da cruz de granito assente no vértice do frontão da actual capela-mor está inscrita a data de 1752. Era então aqui pároco vitalício o abade Jerónimo. A ele se deve, portanto, a construção da actual capela-mor da igreja paroquial, visto que, na vigência do “antigo regime” todas as despesas com o culto de Santíssimo, incluindo a construção e conservação da capela-mor, decorriam a expensas do abade e por conta do rendimento do benefício paroquial. O abade Jerónimo esmerou-se nesta obra. “Em todo o conjunto externo (…) se nota nitidamente a verticalidade da construção do mestre canteiro (…) Manuel Gonçalves, pai de José Gonçalves, que por ai construíram muitas capelas-mores e aos quais podemos atribuir, eventualmente, a construção da capela-mor da Igreja Paroquial de Caçarelhos”.(3) Também o seu interior estava razoavelmente decorado. Com área suficiente, era mingado o pé-direito. Sofreu algumas modificações aquando das obras de restauro efectuadas nesta igreja entre 1946 e 1950. Aproveitando o vão sob o telhado, alteou-se–lhe o tecto. O conjunto beneficiou em espaço e elegância. As paredes laterais, que inicialmente apresentavam paralelepípedos pintados a branco, azul e preto, em harmonioso conjunto, foram uniformemente caiadas a branco. Desapareceram para sempre. O retábulo do altar-mor não acompanhou a elevação do tecto e, na parte superior, o remendo não condiz com o pano. Continua imperfeita a parte superior das paredes laterais. Decorreram apenas cinquenta e dois anos sobre aquela grande obra de restauro. Os altares já tiveram de ser novamente pintados e dourados. Imerecidos se confirmaram os elogios então dados efémera obra. De louvar a actual vassourada sobre a excrescência constituída por dois pseu-do-altares, ali mal nascidos há meio século, em total desacordo com o harmonioso conjunto inicial. Pecou só por incompleta essa limpeza.

Dr. Francisco Formariz

O largo da Igreja de Caçarelhos