Início > Artigos > Adélia Garcia

Adélia Garcia


Adélia GarciaNão conheci Adélia como outras a conheceram. Conhecia como filho da Terra, presenciei suas vivências dias a fio, convivi com ela várias vezes e conheci a Adélia genuinamente com só ela sabia ser.
Foi ela que me ensinou parte do que aprendi como católico cristão, deu-me catequese.  Era o popular, era o saber, era aquele encanto a simples Adélia Garcia.

Ela sabia os costumes e tradições do antigamente, dona de uma voz encantadora que traz a saudade, lembra o amor, as coisas belas que há na vida.  Ficou gravada para posterioridade por aqueles que a ouviram e quiseram torna-la imortal. Não houve um que Adélia  não oferecesse a sua humildade, a sua vivência e isso fez com que fosse lembrada com carinho, por se entregar de corpo e alma em tudo que fazia. Sem rodeias e cerimónias, não procurava fortuna nem ganância, procurava simplesmente viver a vida num pleno e mesmo com pouco viver feliz. É esta a prova que não precisamos de fortunas para sermos felizes, não precisamos de mais nada se não viver a vida da forma mais natural como a Adélia nos transmitia cada vez que convivíamos com ela.

Adélia Garcia, Caçarelhos

Adélia não teve filhos mas adoptou tantos Filhos deste mundo, lhes deu o seu amor, lhes ensinou o que ela sabia de melhor, aquela mulher, tal heroína digna de uma sabedoria popular. Viveu em tempos de dificuldade onde se passava fome e não foram os tempos de hoje em que falamos nós de crises parvas e dizemos tempos difíceis sem sabermos dar valor aquilo que temos. Naquele tempo vivia-se do pouco, da partilha, não era necessário muito para ser feliz. Foi tal vida que criou a Adélia que conhecemos, uma mulher que se entregou ao povo, ensinou as reliquias que tão bem guardava em sua mente.

É esta a lembrança que fica desta senhora, uma pessoa disponível, plena de vida, tão prática e embora do pouco lhe foi suficiente e tivesse sofrido não era essa razão para deixar de viver alegremente. Sem dúvida a Alegria não faltava nesta mulher, sempre de braços abertos para os que vinham, se entregava de corpo e alma. Coisas que para ela eram tão vulgares do dia à dia mas que para nós se tornam tão raras aos dias de hoje.
Adélia com Tiago PereiraConhecer como a conhecia, sei que ela hoje não quer tristeza nos nossos corações mas sim que vivamos e que levemos todos estes valores que nos ofertou para o mundo inteiro, que nos sirvam de exemplo para termos uma vida melhor. Porque tudo aquilo que Adélia sempre foi a tornou única, a tornou naquela mulher do povo, aquela senhora que recordaremos para o sempre. Com amizade te agradecemos por teres sido simplesmente tu no teu pleno, no teu mundo de encantar que embora pensamos que já não existe tu sempre lhe soubeste dar o devido valor, aquele mundo onde vivemos.

Cristóvão Machado